12 anos depois… A Barra!

Quarta-feira foi dia de ballet e voltei novamente à nostalgia… Mal entro na sala e vejo as barras, colocadas no centro, feliz digo à professora “vamos fazer barra hoje! Que giro!!!!” (óptima oportunidade para ter estado calada)

Como sempre penso e falo antes da experiência, ao fim de 10 minutos de primeiras posições, grand battments, e outras coisas mais (a cabeça não se recorda de mais nomes), toda eu era água! Já não sabia se morria afogada no meu suor, se mandava o lanche cá para fora (nota mental: sandes de paté de frango not good para aula de ballet), se me mandava ao chão e dizia o meu cérebro aos 30 já não decora mais de metade das sequências (volte professor Vítor está perdoado, que nos meus 18 os exercícios não eram longos…).

O que é certo, é que a nostalgia passou depressa, entre passos familiares e pensar que além de decorar tenho que ter atenção à postura, aos braços, às pernas, a tudo! O corpo de facto não esqueceu muita coisa, e muito fiz por instinto… Mas 12 anos de açúcares e coisas processadas no organismo não me permitiram a mesma resistência.

Hora e um quarto de tortura mais tarde: saímos da barra, fomos dançar para a frente do espelho, quando vejo os belos dos saltinhos (que gostava de me lembrar do nome, mas um dia quem sabe) penso ‘já foste! É óbvio que isto já foi tudo, lembro-me lá eu como é que isto se fazia’, a música começa e plim! Não é que as minhas pernas dançavam sozinhas! Para ser sincera eu já nem as sentia, mas elas lembravam-se dos passos certinhos! A seguir fomos para o canto, lá fiquei eu nostálgica novamente, mas desta vez durou nada mais nada menos que breves minutos, foi até ouvir “Piruetas!”.

Juro, que o meu cérebro gritou PIRUETAS?! PIRUETAS?! Salto, salto, salto e pirueta, na diagonal, na sala em grupo?! A minha vontade foi pousar as sapatilhas e perguntar ‘a aula das iniciadas é onde?’… Mas aquela professora, fantástica, enérgica, não deu espaço ao cérebro de comunicar à boca ‘RUN Forest RUN!’. E por isso, doze anos depois, DOZE ANOS DEPOIS, sim DOZE… Euzinha, voltei a rodar, eu e o meu corpo trintão destrambelhado que outrora fazia aquilo com uma perna às costas rodamos, e voltámos a rodar, e sempre a pensar a cabeça é a última a partir e a primeira a chegar eu voltei a fazer uma pirueta! Sem nunca cair fiz mais umas quantas (uma grande vitória, visto que tenho uma especial aptidão para cair até quando ando).

E aqui estou eu, encharcada da silva, e de sorriso de orelha a orelha no final da aula!

P.S. Isto foi antes das dores de coxas no dia seguinte…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s