livros

A mão que mata, Lourenço Seruya

A mão que mata é o primeiro livro de Lourenço Seruya, aviso já que é um daqueles clássicos policiais que nos apaixona. O assassinato tem Sintra como palco principal, deixando logo o mistério no ar desde a primeira página.

Como fã número um de policiais e thrillers assim que soube que havia um novo livro deste género escrito por um autor português, corri para o site da Bertrand e encomendei-o. A premissa era bem apelativa, 10 pessoas, uma mansão em Sintra e uma aparece morta.

Para mim, foi como iniciar um jogo de Cluedo. A partir do momento em que começamos a acompanhar o desenrolar da narrativa já não conseguimos parar de ler. O inspetor Bruno cria facilmente empatia com o leitor, já o Rodrigues nem por isso. Claro que nada é por acaso, por isso nota-se que o personagem do Bruno foi pensado para gerar simpatia, sobretudo pelo publico feminino. Quem não gosta de um ‘bruta montes’ que é o menino dos avós?

Já na mansão da família Ávila são poucos os membros que geram simpatia. Os irmãos claramente estão ali pelo dinheiro, os cunhados e cunhadas dividem opiniões, só a pequena Leonor encanta corações. Uma daquelas doces meninas que cativam pela inteligência e inocência.

O crime acontece quando todos os herdeiros retomam à casa que foi dos pais para fazerem partilhas. O engenheiro faleceu há pouco tempo sem deixar testamento, por isso todos herdam, o que lhes retira um possível motivo para cometer o crime. Contra factos não há argumentos, sem motivos, terá sido esta morte uma tentativa de assalto falhada? Pelo menos é assim que todos pensam, até que, inesperadamente, há outra morte.

Lourenço Seruya cativa-nos pelos cenários e prende-nos pela fluidez da narrativa. Aqui não há momentos mortos e as pistas são escondidas com subtileza. Todas as teorias são possíveis, mas aparências iludem. Um enredo denso, que nos vai levar à descoberta do terrível segredo que esconde o assassino.

Sinceramente apaixonei-me de tal forma pelo livro que o li em poucos dias e quero muito que tenha um segundo livro. Quero mesmo saber a história de fio a pavio do Inspetor Bruno Saraiva.

Posso já adiantar que esta será uma das perguntas que já tenho preparada para o autor que vai estar comigo no Diário dos Autores de dia 29 de junho. Já sabem temos encontro marcado às 21h30 na página do Instagram do ODiáriodeumaDespenteada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s