Os ensinamentos do Monge#2

Todas as manhãs fazia as prostrações e a minha vida seguia um caminho e a do Monge outro.

Mais tarde gostava de visitá-lo na cozinha.

A história dele de vida é impressionante. Tem filhos, esteve preso e de repente conheceu o seu caminho para não mais voltar. Era bruto na maneira de ser, mas tinha um coração enorme. Mais do que o estômago os seus pratos alimentavam almas.

#2

Estavas preocupado com o almoço e o receber, parecias sentir a minha fome e a tentar respeitar os timings… A conversa surgiu, falaste-me das capas e das energias… Como era importante sabermos ler as energias, o sentir e o buscar o ‘eu’ interior. O teu conhecimento externo era pouco, não conhecias o mundo lá fora, mas cá dentro partilhaste a tua experiências e salientas-te a importância do sossego, do sentir, do perceber e saborear. Do stress, da confusão, das pessoas que se esqueciam delas próprias de tão importadas que estavam com coisa nenhuma.

“Estan todos de ojos cerrados! no miran, no sienten, no vivem’.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s