Marketing&Publicidade

Publicidade Vintage

Hoje estou de volta ao escritório e como tal a minha veia de publicitária está mais saliente. Não que não tenha trabalhado em vários projetos quando estive em casa, mas no local é sempre mais ‘romântico’.

Por isso vou recuar no tempo e partilhar convosco algumas curiosidades sobre a publicidade e alguns anúncios bem antigos.

Para falar sobre os primórdios da publicidade vou recuar no tempo, até ao ano de 384 a.c. . Vou começar por vos apresentar (o já muito conhecido) Aristóteles e falar sobre retórica! (Se algum dos meus colegas de CC da UBI estiver por aí, acredito que já esteja a mudar de site. Já agora aproveito para deixar um beijinho para a professora Anabela Gradim que nunca esqueci esta lição).

Começo por desmistificar um pouco sobre o que é a retórica.

❝A retórica é a arte do conVENCER O OUTRO, da eloquência e do bom uso da palavra. É A Parte fundamental de qualquer texto. ESTA consiste EM PERSUADIR O interlocutor a fazer algo que VOCÊ gostaria que eSTE fizesse.❞

A retórica de Aristóteles é dividida em três pilares: ethos, logos e pathos. Curiosamente continuam a ser utilizados até aos dias de hoje.

Ethos

A palavra ética vem daqui. Ethos é a percepção que o público tem de uma determinada entidade tanto ao nível moral como de competências.

A marca quando comunica deve transmitir confiança, eficácia e, a cima de tudo, credibilidade. Esta parte moral leva algum tempo a ser construída, porque é aqui que reside a confiança dos consumidores. No entanto pode ser destruída em menos de nada.

Nesta imagem a própria marca faz referência aos anos em que está ao lado do consumidor.

Logos

Publicidade antiga | vintage advertisement | Portugal 1920… | Flickr

Já se faz adivinhar que a palavra logos deu origem à lógica. O logos num anúncio é o ‘espírito da razão’. Para Aristóteles um discurso não será bom, se não puder provar logicamente o que está a dizer. Por isso um anúncio nunca deve prometer coisas que não pode cumprir.

Tem que haver uma mensagem clara, precisa que não deixe dúvidas em quem a está a receber. Ao partilhar factos a mensagem é enriquecida.

Este anúncio apela duas vezes à lógica: no apelo à prevenção e na poupança.

Pathos

A nossa empatia. A empatia é a capacidade de gerar emoções no público. Temos anúncios que fazem isso espetacularmente bem, como por exemplo o anúncio da Vodafone no Natal há uns anos.

Este anúncio estabelece uma ligação emocional com o telespectador. Posso afirmar que, atualmente, dos três este é o mais utilizado, há uma crescente tentativa por parte das marcas na criação de ligações emocionais com os seguidores.

Porque a persuasão faz-se através do discurso emotivo. Por isso as instituições de solidariedade social recorrem tanto a ele.

E como não quero que terminem este anúncio de lágrimas nos olhos, deixo os melhores anúncios da Porche, machistas que doem… Mas temos que ter em conta a época em que estávamos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s